romance erótico Um anjo veio me beijar parte 5

Um anjo veio me beijar – parte 5

No celeiro não tínhamos limites para o beijo.

– Foi aqui o nosso primeiro beijo, agora entendi porque esse lugar… Bem engenhosa você dona Megan

– Te amo – Mas quando eu terminei a frase, a fisionomia da Kaila mudou, ela simplesmente ficou triste de uma hora para a outra.

– Posso te perguntar uma coisa? – perguntou Kaila.

– Claro – respondi ansiosa.

– Na cafeteria, você mencionou o fato de eu estar doente, você está comigo por pena?

– Não!, eu te amo.

– Eu vou morrer.

– Eu também vou, quer ficar comigo assim mesmo? – Caímos na risada, dei um beijo e me deitei no sofá, chamando por ela.

Fui tirando minha roupa, enquanto Kaila tirava seu sapatos.

Ela começou a massagear meus pés, e depois foi subindo suas mãos até tirar minha calça e desabotoar minha camiseta e então começou a beijar minha barriga.

Pedi para que ela tirasse aquele vestido, e de imediato ela atendeu. Seu corpo é lindo, seus seios, sua bunda e seu sexo… Aquela visão me deixou mais louca de desejo.

Meu corpo inteiro suava, enquanto ela me beijava e me apertava de um jeito lento e intenso.

Quando ela tirou minha calcinha eu estava completamente molhada.

Senti a ponta de sua língua em meu clitóris e meu corpo tremeu, foi inevitável começar a gemer.

Suas mãos seguravam minhas mãos enquanto sua língua entrava em minha buceta.

Dois corpos suados, duas mulheres gemendo e se contorcendo… Era assim que eu podia definir aqueles momentos.

Seus dedos me penetraram enquanto seu corpo fazia pressão sobre o meu, sua respiração ofegante enquanto eu massageava seu sexo, Gozamos.

Nos beijamos e pedi para que ela deixasse eu sentir seu gosto, subi em cima dela e comecei a sugar seus seios, a aranhar suas pernas, fui chegando até sua buceta e no primeiro toque seu corpo tremeu, suguei, lambi e chupei. Seu corpo foi ficando mole e foi ai que senti o seu gosto na minha boca pela primeira vez.

Kaila pegou um cobertor e ficamos enroladinhas ali por um tempo, sentia uma segurança, uma paz tão grande junto a ela, fora a felicidade que era evidente.

– Quer dormir aqui hoje Megan?

– Quero sim, sofá pequeno é bom para ficarmos juntinhas, grudadinhas (risos).

– Amanhã o dia será complicado…

– Diz isso pelo o povo falando?

– Não, falo pela sua mãe dava para ver o ódio nos olhos dela.

– É isso vai ser complicado, mas eu vou ter você do meu lado?

– Claro, pra sempre… Quer viajar comigo para França?

– França! Amei a ideia meu amor, mas porque especificamente França?

– França por ser um lugar romântico, mas pode ser outro lugar também, afinal não é só a França que aceita a união homoafetiva.

– Como assim?

Falei, me virando para ela com os olhos cheios de lagrimas (de felicidade é claro!).

– Quer casar comigo Megan?

– É claro que eu quero!

Adormeci em estado de plena felicidade e acordei mais feliz ainda por saber que aquilo não era sonho, colocamos nossas roupas e fomos até a casa de Kaila, chegando lá estava à família toda reunida, inclusive minha mãe com cara de poucos amigos.

– Muito bonito a vergonha que você me fez passar Megan! Dançar com uma mulher… Beijar ela na frente de todos! Meu Deus que vergonha…

– Você deveria sentir envergonhada é de ficar jogando claramente sua filha nos braços de um rapaz, sendo que era visível o desinteresse dela por ele! – disse a avó da Kaila, que já estava nervosa com o comportamento de minha mãe.

– Eloise, desculpe minha amiga, nada contra você, se você aceita sua neta viver no pecado, ser um sapatão… Problema seu, mas minha filha não!

A mãe de Kaila ficou revoltada com as palavras de minha mãe.

– Baixe o tom de sua voz ao falar da minha filha, ela não vive em pecado ela só tem coragem de ser e viver de modo limpo com ela mesma… E eu juro que se você chamar minha filha mais uma vez por esse termo de mal gosto, nós teremos um longo atrito… Físico se é que me entende!

Kaila vendo aquela confusão toda ficou na frente da sua mãe a segurando.

– Acalme-se mãe, senhora Morris, eu a respeito muito, respeito muito sua filha, amo ela e se ela demonstra me amar também, por mais que a senhora faça um escândalo isso não vai ajudar… Espero que policie suas palavras.

– Eu falo como eu quiser! Com você eu não converso, a questão é minha filha!

Realmente estava na hora de me pronunciar

– Mamãe, eu amo a senhora… Peço que me respeite e entenda que é do lado da Kaila que eu vou ser feliz.

– Não! Você está sendo enfeitiçada por essa mulher, sua vida é tão sem graça Megan que agora você resolveu mudar e mudou muito…

– Mãe! Aconteceu, eu me apaixonei, eu amo a Kaila e vou ficar com ela!

– Olha aqui garota mimada! Você vai voltar comigo sim para a nossa casa! Vai voltar a sua vida de brincadeirinha, ficar escrevendo livros e vai esquecer o que aconteceu ontem, e vai atrás do Mark, dizer qualquer coisa! Mas vai namorar com ele… É uma ordem Megan Morris!

Kaila perdeu a cabeça com minha mãe.

– Olha senhora Morris, sua filha não brinca de escrever, ela é uma escritora… Uma das melhores! Autoras de vários livros premiados no mundo, então mais consideração com o trabalho dela. Se a vida dela é sem graça ou não é problema dela. E a senhora pare de tratá-la como uma criança e aceite que ela não é um fantoche!

– Cala a boca a minha conversa é com a minha filha – minha mãe já estava gritando.

– A senhora fala como se ela fosse propriedade sua. Coisa que não é! E para sua informação ela e eu vamos nos casar! Vamos até a França regularizar os papeis e se prepare porque quando eu e Megan voltar, nós vamos morar juntas, como um casal!

– Megan, se isso for verdade saiba que eu corto relações definitivamente com você!

– É verdade, eu vou me casar com ela, vamos nos tornar um casal e pretendemos ter uma família, adotar uma criança. Eu não quero perder a convivência com você mãe, mas eu não vou sofrer mais por isso – se eu não tivesse dito aqui, viveria infeliz pelo resto da vida. Eu precisava ser feliz, mesmo que isso significasse cortar laços com a minha própria mãe… E foi o que aconteceu, minha mãe me renegou.

Kaila e eu fomos à França e nos casamos. Foi um mês perfeito de lua de mel. Poder ser a mulher de Kaila isso me fazia à mulher mais feliz do mundo.

Quando voltamos à cidade, a princípio foi um baque para alguns, a maioria já tinha arrumado alguém para fazer fofoca e eu e minha esposa já não éramos o centro das atenções.

Nesses meses tivemos uma ótima noticia, Mark estava apaixonado e iria ser pai, ele se tornou nosso amigo e até fomos madrinhas do seu casamento.

Já o meu casamento com Kaila, já iria fazer um ano, decidimos dar entrada no pedido de adoção.

Foi algo muito burocrático a justiça acreditava que se a criança fosse adotada por gays, ela se tornaria gay ( O que nós sabemos bem, que sexualidade não é questão de influência).

Mas também tinha o fator Bullying, a criança poderia sofrer isso por ser filho de um casal não convencional, se em pleno 2014 ainda há esse problema de Bullying nas escolas, imagina no ano de 2002.

O advogado nos disse que seria melhor se somente uma pessoa desse entrada nos papeis, e também fizesse um documento dando a guarda compartilhada para sua companheira.

Foi o que fizemos, o pedido foi feito no nome da Kaila e ela assinou um documento onde eu obtive a guarda compartilhada.

Visitamos alguns orfanatos e nos apaixonamos por um garoto de 6 anos, o Kevin, conversamos com ele sobre nossa união até para saber como ele lida com o amor entre pessoas do mesmo sexo, e apesar da sua idade ele nos surpreendeu.

Criamos um laço muito forte com ele, e decidimos que ele seria nosso filho. Depois de alguns meses a guarda saiu e o Kevin se tornou, Kevin Morris Kreuk… Nosso filho.

Ele só fez nossa vida que já era boa se tornar melhor.

—————————————————–

Está gostando dessa história?

Você pode cadastrar o seu email e ficar por dentro das próximas publicações ou pode acompanhar semanalmente. Essa história será postada 1 vez por semana nas datas abaixo e os links estarão ativos nas datas indicadas. Cadastre o seu email aqui do lado e fique por dentro!

Leia também: Click aqui

Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5 | Parte 6 Final

Related Posts

Leave a comment

Your email address will not be published. Required fields are marked.